domingo, 19 de maio de 2019

Simples Nacional ou Lucro Presumido?


É bem comum depararmos com esta dúvida: Quanto minha empresa vai pagar de Impostos?
      Inicialmente todo empreendedor que deseja abrir uma empresa deve elaborar o plano de negócios que após definir qual ramo de atividade atuará, mapeará  dados importantes para  sucesso da sua  empresa, tais como, possíveis clientes, localização, tipo de recebimento, pagamentos dentre outros, além de prever o faturamento e custos.
    O futuro empresário deve explicar com detalhes ao contador qual atividade deseja atuar para que caso haja mais de uma atividade, todas sejam classificadas e enquadradas corretamente. O processo que começa errado dificilmente terá exatidão no resultado e sucesso

De acordo com as características das atividades que se pretende exercer é que será  atribuído o correto CNAE- Código Nacional de Atividades Econômicas e assim seguir para o correto enquadramento tributário, onde os principais são:  SIMPLES NACIONAL, LUCRO PRESUMIDO, LUCRO REAL.

A opção MEI - Micro Empreendedor Individual  é ideal para o empresário que possui uma visão futura do seu negócio informal e deseja se formalizar. A vantagem desta formalização é que o futuro empresário  mediante o CNPJ - poderá emitir notas fiscais, abrir conta bancária empresarial e ter acessos ás linhas de crédito. Poderá participar de licitações públicas. Não há taxas de registros para esta modalidade e ainda o empresário pagará os tributos simplificados e fixos mensais e passa  ter direito à cobertura previdenciária do INSS tais como aposentadoria por idade, auxílio-doença, salário-maternidade, entre outros benefícios previdenciários).
        No Portal do empreeendor estão todos os critérios necessários e demais informações para quem poderá se ingressar no MEI - sendo uma das exigências é que o faturamento anual não ultrapasse a R$ 81.000,00 por ano. https://www.portalmeiempreendedor.org


Simples Nacional - a tributação será determinada conforme os anexos da  Lei Complementar 123/2006. As atividades previstas no Simples Nacional foram dividas por categorias explicitas nos anexos do I ao V e a alíquota a ser aplicada  é de acordo com o faturamento. Se sua empresa tem muitos custos importante simular opção lucro presumido porque dependendo da alíquota que sua empresa foi classificada, talvez vale a pena simular outra opção.



Para ser enquadrada na opção Simples Nacional a receita bruta anual é de R$ 4,8 milhões anual, para as Empresas de Pequeno Porte (EPP), ou seja, o faturamento da empresa não poderá ultrapassar R$ 400 mil reais mensais. Para o Micro Empresas (ME), o faturamento anual não poderá ultrapassar a R$ 360 mil reais anual, ou seja, R$ 30 mil reais mensais.

Lucro Presumido - é uma forma de tributação onde a legislação presume a base de cálculo para recolhimentos do Imposto de Renda – IRPJ e Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido - CSLL das pessoas jurídicas sendo 8% Comércio e Indústria  e 32% para Prestação de Serviços, ou seja, a Receita Federal presume que seu lucro numa atividade de prestação de serviços será de 32% sobre seu faturamento sendo os 68% referente a custos, despesas e demais gastos necessários para o funcionamento da empresa. 
Já comércio e indústria, presume que do total do faturamento, 8% seria o possível lucro sendo os 92% referente a custos, despesas e demais gastos para o funcionamento da empresa. E O faturamento deve ser inferior a 78 Milhões.
Não é indicado para empresas  com baixo faturamento e baixa margem de lucro.


Enquanto na opção Simples Nacional os pagamentos dos impostos são feitos em guia única, na opção Lucro presumido ou Real , a apuração dos impostos é feito individualmente e recolhida em guias separadas, além de existir mais obrigações acessórias.


Lucro Real
é a forma de tributação mais complexa indicada para empresas de grande porte, cujo faturamento seja superior á R$ 78 milhões de reais e que possuem um volume alto de estoques e despesas, sendo obrigatórias para algumas personalidades jurídicas.

Impostos envolvidos:

Impostos
Descrição
IRPJ
 Imposto de Renda de Pessoa Jurídica
CSLL
Contribuição Social sobre o Lucro Líquido
PIS/Pasep
Programa de Integração Social
COFINS
Contribuição para o financiamento da Seguridade Social
ISSQN
Imposto Sobre o Serviço de qualquer natureza
ICMS
Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços
IPI
Imposto sobre produtos Industrializados
CPP - RAT - TERCEIROS
Contribuição Patronal Previdenciária



Vamos fazer uma simulação?

          Consideramos que uma empresa de prestação de serviços referente ao CNAE 7500-1/00 – Atividades veterinárias. É uma atividade que não está autorizada para opção MEI, não está obrigada a optar pelo Lucro Real e não há impedimentos para  opção Simples Nacional ou Lucro Presumido.
No exemplo a empresa será  sem funcionários tenha um faturamento de R$ 120 mil reais no ano,  sendo R$ 36 mil reais referentes a insumos aplicados na prestação de serviços e R$ 60 mil reais referente à retirada Pró-labore). Neste caso o regime de tributação adequado é o Simples Nacional.


Para saber qual opção sua empresa pagará menos impostos, é importante realizar uma simulação do Planejamento Tributário. Para saber mais, entre em contato conosco, faremos a simulação e retornaremos em seu e-mail sem custos das análises efetuadas.


segunda-feira, 6 de maio de 2019

GESTÃO ATIVO IMOBILIZADO


Conforme informado no Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC 27 - Ativos imobilizados são Bens tangíveis (existentes em forma física)+ utilizáveis por mais de um ano e que sejam detidos para uso na produção ou fornecimento de mercadorias ou serviços, para aluguel ou para fins administrativos. 

É importante que toda empresa estabeleça critérios e diretrizes no controle de seus ativos imobilizados de forma que as informações sejam interpretadas corretamente nas demonstrações contábeis e utilizadas adequadamente pelos usuários ( Receita Federal, Receita Estadual, Acionistas, Fornecedores, etc).
São necessários para que a empresa gere seu fluxo de caixa. Não podem ser adquiridos com finalidade de venda, devendo ser recuperáveis e rastreáveis.
Podemos classificar como ativos imobilizados, instalações, máquinas, equipamentos, acessórios, ferramentas dentre outros desde que a expectativa de vida útil na empresa seja superior a doze meses bem como possuírem funcionamento próprio. 
É de fundamental importância que a empresa tenha um padrão de regras interno que estabeleça quantos as regras de aquisição de ativos imobilizados para que não haja distorções nas análises e interpretações.
A empresa realizará a classificação do ativo no momento da compra, até mesmo antes da entrada da Nota fiscal no sistema.
No momento do registro da Nota Fiscal, é necessário que o ativo já esteja classificado para que a empresa faça a recuperação dos créditos devidos: ICMS + PIS+ COFINS.
ICMS – a apropriação do crédito será feita em 48 parcelas, sendo 1/48 por mês, sendo devido no mês que ocorrer a entrada do bem no estabelecimento. Base legal: Artigo 66, §§ 3º, 5º, 6º, 12, 13, 16, 18 e 19.

PIS/COFINS - a apropriação dos créditos ocorre sobre os encargos de depreciação e amortização incorridos em cada período. Alguns casos específicos à legislação permite a aceleração da apropriação. Base legal: Leis nº 10.833/2003 e 10.637/2002, ARTIGOS 3º, VI, VII.

São considerados itens de ativos imobilizados, itens ou serviços incorridos desde a aquisição ou construção de um ativo imobilizado e os itens incorridos posteriormente para renová-lo, substituição de partes ou peças, bem como manutenção. Peças de reposição não são considerados ativos imobilizados e desta forma devem ser contabilizadas no ativo circulante da empresa. Existem algumas exceções aplicadas às peças de reposição que dependendo da situação e caso atender os critérios de reconhecimento de ativo imobilizado, desta forma poderão ser classificadas.
Pode ocorrer aquisição de ativos imobilizados para a finalidade de atendimento a condicionantes Ambientais e de Segurança. Apesar de ser um investimento não vinculado à geração de fluxo de caixa, contribuem para a continuidade da empresa já que o não cumprimento de normas ambientais e de segurança acarreta a penalidades severas. 
Os ativos imobilizados são agrupados em classes individuais de ativos e naturezas com finalidade semelhantes nas operações de cada empresa tais como: terrenos, terrenos e edifícios, máquinas, navios, aviões, veículos a motor, móveis e utensílios, equipamentos de escritório, ferramentas e moldes, instalações, plantas portadoras relacionadas com a atividade agrícola, ferramentas, etc.
Lembramos que numa fiscalização, podem ser solicitados os arquivos xml das notas faiscais que comprovem a origem dos ativos imobilizados bem como informações complementares quanto a identificação e utilização do bem no estabelecimento da empresa, tais como:

a) Dados de identificação da compra


b) Finalidade no processo da empresa


c) Centro de custo a qual pertence o bem


d) Fase do processo


e) Vida útil

Caso o sistema que sua empresa utiliza não permita o cadastro dessas informações no momento da imobilização, importante verificar no setor de informática possibilitar de ajustar o sistema ou indicar alternativas que possibilitam o controle dessas informações, já que dependendo do volume de ativos da sua empresa, controles destas informações em planilhas paralelas são necessárias, porém não eficazes.
Próximo tema relacionados a Ativos Imobilizados, abordaremos sobre Custo/Valor Contábil.

segunda-feira, 8 de abril de 2019

NOTA FISCAL – SUA IMPORTÂNCIA VAI ALÉM DA OBRIGATORIEDADE





A nota fiscal é um documento obrigatório na circulação de mercadorias independente da natureza, tais como Vendas, Remessas para conserto, empréstimos, demonstração dentre outros que podem ser verificados no site da Secretaria Estadual da Fazenda de Minas Gerais (Parte Geral, Anexo V, Parte 2).
É um tema bastante comentado, mas muitas empresas quando se depara com o assunto ficam confusas quanto à obrigatoriedade da emissão. E muitas vezes acreditam que podem deixar para “depois” e isto pode acarretar vários transtornos, inclusive autuação fiscal.
Partimos do principio que toda circulação de mercadorias deve estar acobertada pela emissão da nota fiscal corretamente preenchida.
Existem casos previstos na legislação conforme Anexo V, Inciso I, artigo 20 que dispensa o fornecedor (pessoas físicas ou jurídicas) de emitir a nota fiscal, cabendo ao comprador (contribuinte) a necessidade de emitir a nota fiscal de entrada, porém antes disso deverá verificar com o fornecedor qual embasamento legal está enquadrado para dispensa.
A Nota fiscal emitida registra o processo negociado entre fornecedor e cliente, sendo a etapa final do processo.  Nela estão todos os campos necessários para idenficação da mercadoria, origem e destino.
Toda nota fiscal representa vários fatos contábeis que proporcionam as empresas controles de estoques, contas a receber, contas a pagar, formação de preços médios  mantendo-as regulares com o fisco e gerando confiança as fornecedores e clientes. Importante que sejam processadas em softwares que facilitam a rotina da e presa de forma prática e confiável. Faça a escolha ideal para seu negócio.
Existem penalidades para empresas que realizam práticas ilegais na circulação de mercadorias. As práticas ilegais podem ser tanto de omissão de valores, falta de tributação e mesmo casos em que a Nota fiscal é preenchida incorretamente.
O Fisco se divide em três esferas: Municipal (ISSQN), Estadual (ICMS) e Federal (PIS/COFINS, IPI) cuja função é controlar, regulamentar e fiscalizar a legislação tributária. Os cruzamentos das informações são feitas por auditores capacitados. Muitas informações são auditas on-line e em alguns casos podem ser lavrados termos de notificação para apresentação de documentos e informações adicionais tais como análises contas a receber x nota fiscal emitida, nota fiscal de entrada x fornecedor a pagar x caixa x bancos, dentre outros.
A empresa que por algum motivo deixa de emitir nota fiscal ou adquire mercadorias sem a devida nota fiscal  ou emissão incorreta estará assumindo risco de ser autuada e caso for comprovado a sonegação fiscal as consequências são graves. É feito a arbitragem do valor da operação, onde além de recolher o imposto será acrescido de multas e juros além de casos de reclusão e apreensão dos bens independente se esteja em trânsito ou estocado no estabelecimento do contribuinte. Mais detalhes sobre penalidade,  acessem:
Desta forma, mantenha sua empresa regular, realizando toda movimentação de mercadoria com a nota fiscal devidamente emitida gerando transparência ao seu negócio.
Dúvidas quanto à emissão de nota fiscal, entre em contato conosco. contato@agacontabil.com.br

sábado, 2 de março de 2019

Auto de Infração Fiscal – Como evitar?



O auto de infração é um procedimento administrativo que após auditoria fiscal nos cruzamentos de informações referente às movimentações no estabelecimento do contribuinte constatou infração a legislação tributária (Municipal Estadual e Federal) e neste momento é lavrado o auto de infração fiscal ou notificação.


O contribuinte poderá evitar diversos questionamentos em seu estabelecimento desde que tenha procedimentos operacionais revisados com base na atual legislação além de mão-de-obra capacitada, para que as tributações sejam aplicadas corretamente, podendo gozar dos benefícios fiscais sem prejuízo ao fisco e assim gerando valor para sua empresa.  Fale conosco, envie suas dúvidas, teremos prazer em atendê-lo. contato@agacontabil.com.br

Citaremos alguns casos de infrações que se procedente, existem muitos outros casos ligados também ao descumprimentos de obrigações acessórias. Sendo devido o auto de infração, acarretará  pagamentos de multas e juros e afetará diretamente o fluxo de caixa da empresa. Você pode evitar estas infrações desde que não permita que elas ocorram.

1-) Nota fiscal emitida sem destaque do imposto - podem ocorrer casos rotineiros que não se trata de má fé do contribuinte e de fato houve a falta do recolhimento do imposto ou por má interpretação da legislação ou por erros operacionais que neste caso após verificação interna o próprio contribuinte não tenha percebido e concorde com a autuação.
Digamos que processo de auditoria fiscal é elencado nota fiscal sem pagamento do imposto pode ser que ao emitir a nota fiscal com alguém beneficio fiscal (não incidência, isenção, suspensão, diferimento ou base reduzida do imposto), o contribuinte deixou de mencionar nos dados adicionais da Nota fiscal eletrônica  o fundamento legal que ampare o não recolhimento do imposto. Outro caso que pode ocorrer é o contribuinte emitir notas fiscais de remessa para conserto e o retorno não ocorra dentro do prazo de 180 dias. Este fato garante a suspensão dos impostos desde que a mercadoria retornasse dentro do prazo, não retornando cabe o contribuinte recolher os impostos acrescidos de multas e juros. Neste contexto é importante que o contribuinte faça uma revisão interna nos procedimentos de emissão de notas fiscais de forma antecipar ações corretivas e preventivas antes de receber um auto de infração, caso tenha em seu estabelecimento estas situações.

2-) Créditos de impostos registrados indevidamente – nas entradas de notas fiscais, alguns tipos de empresa possuem direito a tomada de crédito de impostos decorrentes de compra de mercadorias para revenda, ou empregadas no processo produtivo da empresa. O contribuinte deve ficar atento para que caso haja contestação, ele tenha como comprovar a legitimidade dos créditos tomados. É importante que o contribuinte revise seu cadastro periodicamente e para cada novo cadastro realizado não permitir que a classificação dos materiais, mercadorias ou produtos seja feitos equivocados. Ideal que o cadastro seja parametrizado no sistema junto á área responsável pelo consumo, pois assim irá facilitar o entendimento da aplicação do item. Normalmente um auto de infração com esta rubrica, a elaboração de um laudo referente ao processo da empresa deverá ser juntada aos autos. Muitas vezes existem processos produtivos complexos.

3-) Violação do principio da entidade - pagamentos de despesa de pessoa física registrado na pessoa jurídica, onde será interpretado pelo fisco movimentação de venda de mercadoria sem nota fiscal. Muitas empresas costumam efetuar pagamento de gastos pessoais dos sócios referente a escolas, cursos, combustíveis, etc. É um procedimento indevido que fará com que no cruzamento de informações feito pelo auditor seja interpretado que houve realizações de compras junto a fornecedores desacobertados de emissão de nota fiscal.

Suprimentos indevido de Recursos -  as movimentações de entradas de recursos numa empresa podem ser oriundas das vendas de mercadorias ou produtos, vendas de ativo, vendas de itens baixa rotatividade, empréstimos, integralização de capital, dentre outros. Havendo documentação que compre a origem o contribuinte não terá problemas caso receber um auto de infração, basta apresentar documentações objetivas que comprovem. Mas caso não haja comprovação o auditor poderá em sua análise interpretar que houve apuração de caixa credor onde o contribuinte simulou um fato contábil para suprir esta situação. E se isso ocorreu o contribuinte não terá documentos que comprovem a legitimidade do fato contábil e sofrerá penalidades que refletirão no lucro da empresa

Toda empresa (contribuinte) ao receber um auto de infração ou notificação fiscal tem o direito de apresentar defesa administrativa caso tenha documentos comprobatórias e justificativas que evidenciem que os procedimentos adotados pela empresa estão corretos.
A defesa é chamada de Impugnação e o contribuinte poderá realizar de forma parcial quando não discorda de todos os itens. Deverá pagar parte do auto infração que estiver de acordo, juntar os comprovantes de pagamento e para os demais itens questionados apresentar a defesa anexando aos autos toda documentação necessária. Caso o contribuinte deixe de mencionar algum item autuado, a autoridade fiscal entenderá que tal item não é matéria impugnada.
O requerimento para defesa deverá ser apresentado dentro do prazo de 30 (trinta dias) a contar da data do recebimento do auto de infração ou notificação e de conter a identificação do autuado e do auto de infração e deve ser assinada pelo contribuinte ou seu representante legal. Não há necessidade de advogados quando se tratar de esfera administrativa e também não há cobrança de taxas para recepção da documentação de defesa. A não manifestação dentro do prazo é considerada revelia, ou seja, será entendido que não há contestação e serão aplicados as penalidades, cabendo ao contribuinte ingressar no processo por meio de advogado.
Para contestação é preciso entender o procedimento fiscal adotado no auto de infração para que a defesa seja eficiente.  O contribuinte terá que juntar documentos que prove que o que está sendo questionado pelo auditor não procede e assim elencar os motivos com fundamentação na legislação. A contestação deve ser objetiva e não somente argumentativa e pautada em cima do elemento questionado.

 Quer saber mais sobre o tema, entre em contato e envie sua dúvida. contato@agacontabil.com.br



sexta-feira, 1 de março de 2019

Como vai a saúde financeira da sua empresa?


É por falta de planejamento e controle financeiro é que muitas empresas “fecham” nos primeiros anos de sua existência devido à falta de suporte financeira. É o controle financeiro que demonstrará se a situação e capacidade financeira da empresa poderão satisfazer suas obrigações e adquirir novos ativos ou investimentos a fim de atingir as metas e maximizar os lucros.

O administrador financeiro de hoje está mais ativamente envolvido com o desenvolvimento e implementação de estratégias empresariais que tem por objetivo o crescimento da empresa e a melhoria de sua posição competitiva, porém demais profissionais atuantes numa empresa mesmo que não possuindo pretensões de especializar na área financeira necessita possuir uma visão sistêmica das funções desta área, porque todos os gestores de uma empresa interagem com a gestão financeira para:

·         Justificar necessidades de contratação;
·         Negociar orçamentos operacionais;
·         Lidar com avaliações de desempenho financeiro;

Principais situações impactam no controle financeiro?

Atrasos nos recebimentos dos clientes - a empresa deve ter como rotina diária as análises dos recebimentos e propor ações que possam mitigar a recorrência de atrasos evitando inadimplências. Avaliação dos clientes e liberação de crédito e fundamental desde o momento da elaboração do contrato. O cliente também precisa ter liquidez para honrar seus pagamentos. Atrasos pontuais podem ocorrer em qualquer empresa, porém quando há reincidências é preciso avaliar e bloquear o fornecimento se for o caso, ou apenas liberar a venda após pagamento ser realizado, dentre outras.
Pagamentos de fornecedores á vista - pagamento de compras á vista pode ser vantajoso para a empresa que possui o controle financeiro eficaz e que já está em operação há mais tempo. Uma empresa em fase inicial se não tiver recursos disponíveis mesmo que a compra á vista gere descontos, para ela não seria vantajoso comprar a vista já que terá que obter recursos de terceiros, como empréstimos por exemplo. O ideal é negociar prazos de pagamentos superiores aos prazos de recebimentos que a empresa negocia com seus clientes. Já para uma empresa em fase mais avançada, avalie se a opção é atrativa e se houver disponibilidade que não comprometa o fluxo de caixa pode ser vantajoso. Independente da forma negociada importante manter os pagamentos em dia para evitar juros e bloqueio nos fornecimentos e demais medidas administrativas.
Aumento dos estoques – é importante não manter no almoxarifado estoques de produtos de baixa rotatividade. Avaliar antes da ocorrência da compra se a aplicação daquele material ou produto será direta. Existem empresas que possui itens estratégicos, que na sua falta interrompe sua produção ou comercialização. O estoque deve ser adequado de acordo com a produção e venda. Existem situações que podem ocorrer negociações de troca junto aos fornecedores e outros casos cabe busca de alternativas de comercialização destes itens de estoque a preço de custo. Inserir na rotina da empresa os Inventários, uma ferramenta de gestão que transmite segurança na informação destes estoques.
Empréstimos a longo prazo – as empresas podem recorrer empréstimos para financiar seu capital de giro ou recorrer a recursos próprios, porém, antes da captação deste recurso deve ser feito uma análise prévia para quais fins serão destinados e como serão pagos, taxas de juros, garantias, prazos, pois mesmo que seu negócio falhar, os pagamentos terão que ser realizados e caso haja falência, os credores possuem prioridades nos pagamentos.
Investimentos – todo e qualquer investimento deve ser submetido ás análises prévias das possibilidades e necessidades. Aquisições de novos ativos imobilizados tais como máquinas, equipamentos, construções, ampliações, melhoria no desempenho da produção da empresa, qualidade dos produtos, dentre outros, caso contrário, cabe à empresa avaliar se não caberia outra forma de investimento.
Aumento quadro pessoal próprio ou de terceiros – ao contratar mais funcionários é importante avaliar se foi previsto no orçamento empresarial do período com todos os valores envolvidos (FGTS, férias, 13º, impostos, contribuições, benefícios, etc.), além de recursos para execução das atividades caso não haja já que muitos casos o gasto não será temporário e a empresa precisará de mais recursos. De acordo com os critérios da empresa é ideal que seja feito uma simulação qual forma de contratação seria mais vantajosa.
Pagamentos de gastos pessoais com recursos da empresa – é um ponto de atenção que não deve ser praticado na empresa. É uma situação que pode parecer irrelevante, mas quando menos espera torna-se rotina que afetará o controle financeiro. É necessário ter contas bancárias separadas, pois afeta diretamente na apuração do lucro e sua distribuição. Além do empresário criar plano de ação para reduzir despesas sendo que a redução seria a eliminar esta prática.  A empresa só deve registrar e contabilizar gastos vinculados a sua operação com documentação emitida para seu CNPJ. Tal prática poderá chamar atenção do fisco e as consequências geram penalidades. Importante que os sócios acordem dentro da legalidade de retirada de recursos usando situações previstas em lei tais como:

a-) Pro -labore - quando além de sócio, este atua na empresa numa determinada função, ele recebe uma renumeração baseada no mercado pelo seu trabalho, porém deve ser levado em conta a capacidade da empresa. Existem regras especificas que serão abordas em outro tópico.
b-) Lucros e dividendos – na apuração do resultado da empresa havendo lucros são distribuídos entre os sócios.

Impostos Operações com mercadorias e serviços – é preciso que os faturamentos sejam tributados de acordo com a legislação vigente sem causar prejuízos ao fisco e à empresa. Existem benefícios fiscais previstos na legislação onde a empresa poderá reduzir sua carga tributária, por isso é importante traçar o planejamento tributário e a revisão dos procedimentos operacionais adotados. Média 30% referente ao faturamento são os impostos (ICMS, PIS, COFINS) além do IPI dependendo do tipo da empresa. Tais impostos refletem diretamente no fluxo de caixa caso a empresa não tem saldo a compensar. O saldo a compensar são oriundos dos créditos de impostos decorrentes das entradas de matéria-prima, insumos, materiais intermediários e materiais ou serviços empregados no processo produtivo da empresa. Este assunto será abordado em tópico especifico visto a diversas particularidades atribuídas ao tema.

O tema acima é apenas para que você pare um pouco e reflita sobre a saúde da sua empresa e caso queira mais alguma informação estaremos à disposição para assessorá-lo, avaliaremos os procedimentos adotados, estrutura atual e faremos propostas de ações corretivas e preventivas para que seu negocio tenha um controle financeiro seja transparente e eficaz. contato@agacontabil.com.br